Conselho de Ética rejeita processo contra Bragato em SP

| |

O Conselho de Ética da Assembléia Legislativa de São Paulo rejeitou ontem as duas denúncias, feitas por PT e PSOL, contra o deputado Mauro Bragato (PSDB), suspeito de receber propina de empreiteira envolvida com a máfia da CDHU. Após manobra da base governista, o colegiado decidiu devolver o processo à Mesa Diretora, que deverá requisitar documentos à Procuradoria-Geral de Justiça.


A estratégia visa retardar a abertura de apuração sobre eventual quebra de decoro parlamentar. O Conselho de Ética é formado por 9 deputados, mas somente 1 - o presidente, Hamilton Pereira (PT) - é da oposição. Com maioria, os governistas conseguiram mudar a pauta da reunião de ontem.


Bragato é suspeito de ter recebido, entre 2003 e 2005, pelo menos R$ 104 mil da FT Construções, empresa-mãe de uma organização criminosa denunciada por fraude em licitações e superfaturamento de obras de casas populares na região de Presidente Prudente, reduto eleitoral do deputado. Por ter foro privilegiado, o caso foi remetido à Procuradoria-Geral de Justiça.


Na sexta-feira, ficara decidido que ontem seria nomeada subcomissão para apurar preliminarmente o caso. Esse grupo ficaria responsável por solicitar todos os documentos com indícios contra o tucano à Procuradoria. Agora, isso ficará a cargo da Mesa Diretora.

0 Opinaram:

Postar um comentário