Após derrota, Serra busca diálogo com Aníbal

| |


Disposto a escapar da imagem de derrotado, o governador de São Paulo, José Serra, telefonou para o novo líder do PSDB, José Aníbal (SP), pregando a unidade partidária. No telefonema, feito ao deputado na noite de quarta, horas depois da eleição, Serra recomendou que todos estejam juntos, como relatou o próprio Aníbal.
"Ele só perguntou: "E aí? Agora, como é? Todo mundo junto, né?" Achei ótimo. Essa é também minha preocupação", descreveu Aníbal.

Agora, dizem aliados, Serra tem que se imunizar contra a pecha de mais uma derrota: o lançamento da candidatura de Geraldo Alckmin à Prefeitura de São Paulo. Não é à toa que ele vem repetindo que Alckmin será candidato se quiser.
Ao longo do processo, Serra fez questão de dizer que não interferiria na eleição na Câmara, mas, até por laços de amizade, seus aliados, como os secretários Aloysio Nunes Ferreira e Alberto Goldman, não escondiam a simpatia pela candidatura de Arnaldo Madeira, que também contou com o apoio de Jutahy Magalhães (BA).

Para um serrista, a preferência de Serra e do governador Aécio Neves (MG) na votação ficou evidente em dois fatos. Eleitor de Madeira, o secretário estadual Custódio Mattos não pôde se licenciar do governo de Minas para votar. Já Walter Feldman deixou a Prefeitura de São Paulo. Para Aníbal, Aécio o "ajudou ao não interferir" e "Serra não interveio".

"Conversei com ele três vezes e ele realmente deixou claro que diretamente... que não se envolveria. Agora, o entorno do governador tem deputados e ex-deputados que claramente se manifestaram. Mas não teve conseqüência prática", disse.
Sobre a presença de Feldman, Aníbal afirma: "Do ponto de vista prático, perdeu tempo. Agora, de qualquer maneira, ele quis marcar posição".

Feldman reagiu: "Democracia não é só resultado. Sou deputado. Fui manifestar meu voto". Segundo cálculos na bancada, Aníbal contou com 10 dos 18 votos de São Paulo. Ontem, ele frisava que a "disputa acabou", mas não escondeu suas diferenças com Jutahy. O prefeito Gilberto Kassab (DEM) parabenizou o partido pela escolha, mas se recusou a comentar o impacto na sua candidatura. Folha assinante

0 Opinaram:

Postar um comentário