CPI do Grampo não vai apurar denúncias da operação da PF

| |


CPI do Grampo não vai apurar denúncias da operação da PF
Segundo o presidente da comissão, Marcelo Itagiba, investigação tiraria CPI do "foco"

Hipótese de criar comissão só para analisar revelações da Satiagraha também é descartada por deputados da base aliada e da oposição


Apesar do pedido de alguns setores da oposição, líderes da base aliada ao governo e o presidente da CPI das Escutas Telefônicas da Câmara, deputado Marcelo Itagiba (PMDB-RJ), afirmam que as denúncias da Operação Satiagraha não farão parte das investigações na comissão. Uma nova CPI exclusiva para o caso Daniel Dantas também vem sendo descartada por aliados e oposicionistas.

Há um clima de expectativa no Congresso sobre eventuais novas revelações do caso, já que o banqueiro investigado pela PF coleciona amigos parlamentares nas fileiras da oposição e da situação -antes de se aproximar do governo Lula, era notória sua proximidade com tucanos e democratas. A mera citação a financiamento de campanha em planilhas apreendidas em São Paulo já causou apreensão em Brasília.

Amanhã, a CPI vota requerimentos de convocação de Dantas, do investidor Naji Nahas, do ex-ministro Luiz Gushiken e do ex-deputado Luiz Eduardo Greenhalgh (PT-SP). Também há pedidos de informações para a Polícia Federal e para a empresa americana Kroll sobre a Operação Chacal, deflagrada pela PF em 2004.

O deputado Gustavo Fruet (PSDB-PR), autor dos requerimentos, argumenta que os depoentes podem contribuir com informações sobre escutas telefônicas clandestinas realizadas pela Kroll. O parlamentar admite, no entanto, que um dos objetivos é descobrir detalhes do esquema apurado pela PF.

"Temos que ouvir o Dantas por ser o contratante da Kroll. O Gushiken, por ter sido vítima de espionagem, o Greenhalgh, porque teria sido objeto de escuta, e o Nahas, pelo seu envolvimento com a Telecom Italia. Mas é uma semelhança de operação envolvendo os mesmos personagens. Pode ser que isso represente alguma coisa", disse o deputado.

A disposição do tucano esbarra na vontade do governo de apurar os fatos. Amanhã, antes da sessão da CPI, o líder do PT, Maurício Rands (PE), reúne sua bancada para decidir sobre o que fazer com os requerimentos. Rands argumenta que as investigações da PF na Operação Satiagraha já estão muito avançadas, portanto não há motivo para levar o assunto a uma CPI no Congresso. Ele afirma ainda não ter certeza se o depoimento de Dantas, Nahas, Gushiken e Greenhalgh estariam relacionados com a CPI do Grampo, por isso cogita orientar sua bancada a votar contra os requerimentos.

O presidente da comissão também descarta estender as investigações para qualquer assunto que não seja escutas. "Não podemos sair do foco da CPI. Temos um trabalho que é realizado para investigar escutas. Qualquer coisa que apareça fora disso não é problema dessa comissão; que façam outra CPI", disse Itagiba.
Além disso, não há nem na oposição nem na base disposição para tentar abrir uma nova CPI exclusivamente para investigar o caso.

"Precisamos aguardar o avanço das investigações para ver se é o caso de uma nova CPI. Por enquanto, a não ser pelos crimes cometidos por Dantas, tudo o que temos são ilações. Não há nada que comprove, por exemplo, o pagamento de propina para deputados da Comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara", disse o senador José Agripino Maia (RN).

0 Opinaram:

Postar um comentário