Para assessores da Presidência, ação da PF é agressão institucional à agência de inteligência

| |


A decisão da Polícia Federal de entrar no escritório do Rio de Janeiro da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) irritou os arapongas e dividiu o governo. No Palácio do Planalto, assessores da Presidência chegaram a classificar a iniciativa, apesar de respaldada por ordem judicial, como um recado intimidatório e uma agressão institucional à Abin.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi informado da decisão da Justiça e da ação da PF e considerou que não havia o que questionar, já que estava legalmente coberta. Oficialmente, o Gabinete de Segurança Institucional (GSI), a quem a Abin está subordinada, não se manifestou.

O clima que já era ruim entre Abin e PF ficou muito pior. O entendimento na Abin é de que a petição do delegado Amaro Ferreira foi "excessiva e extemporânea" e "demonstrou uma animosidade inaceitável, sem cabimento". E avisaram: vai ter troco.

A complexidade que envolve a investigação de Daniel Dantas é considerada muito grande e o presidente Lula tem sido bombardeado com informações dos dois lados da guerra. O ministro da Justiça, Tarso Genro, endossa as ações da Polícia Federal. Já o GSI adverte para a forma como o processo está sendo conduzido e a como as investigações estão sendo feitas, deixando de lado as apurações em relação ao principal acusado da história, Daniel Dantas, e suas ramificações, e se concentrando em avaliações consideradas acessórias pelos analistas.

No entanto, na própria Abin há grupos que censuram a operação que culminou com o empréstimo de servidores da agência para a PF concluir a Satiagraha.

No Planalto, os que tentam classificar de abusiva a atitude da PF - de entrar na Abin e na casa dos analistas de inteligência - lembram que ela já esteve na casa do irmão do presidente. Observam ainda que ela entrou na Casa Civil para pegar seis computadores, a fim de analisar os dados contidos nas máquinas, durante investigação do vazamento de informações sigilosas que deu origem ao dossiê com gastos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) com cartões corporativos.

A operação na Abin ocorreu no mesmo dia em que foi assinado o afastamento por mais 60 dias do diretor-geral da agência, Paulo Lacerda, e de três outros auxiliares

1 Opinaram:

Anônimo disse...

Estão metendo o PAU no PIG.

http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/nassif-leitores-revoltados-detonam-epoca/

A época está sendo esculachada!!!!

OLHA ISSO DEVE SER DIVULGADO, ATÉ CENSURA ESTÀ ROLANDO.

Postar um comentário