A crise está na imprensa: Crise de caráter!

| |


Na sexta-feira, 600 funcionários da área administrativa da ALL fizeram em Curitiba a festa de encerramento do ano em ritmo de balada. Nada de pessimismo . "Estamos realmente animados", disse aojornal Valor Econômico diretor presidente da companhia, Bernardo Hees, após participar de reunião de diretoria, na segunda. "A crise não é benéfica para a ALL, mas temos crescido em bons e maus momentos", completou.

A última reunião do ano acontecerá na próxima semana, porque, de acordo com o executivo, "trabalhar é o que a gente sabe fazer". Internamente, a crise não levou a mudanças no controle de custos. Na opinião de empregados, a empresa já trabalha com estrutura enxuta. "Mudamos pouquíssimo do nosso plano para o ano que vem, foram ajustes cosméticos", contou Hees. De acordo com ele, dos R$ 600 milhões, cerca de R$ 550 milhões serão destinados a investimentos no Brasil (para locomotivas, vias permanentes, vagões e 40 pátios de cruzamento e manobra) e o restante na Argentina.


A ALL passará a usar em fevereiro trens de 8 mil toneladas, do Alto Araguaia (MT) até Santos (SP) "O volume praticado é de 6 mil toneladas. Com maior produtividade, consome menos diesel e desgasta menos a via permanente". Também no primeiro trimestre irá inaugurar seu primeiro terminal de grãos, no porto de Paranaguá, com capacidade estática para 50 mil toneladas, no qual foram investidos R$ 35 milhões. "O mercado pode ficar mais difícil, como estão falando, mas temos muita participação a ganhar", comentou Hees.


A empresa calcula que tem capacidade para multiplicar por quatro a cinco vezes o volume de transporte sem aumentar a malha ferroviária. Fora isso, negocia com o BNDES investimentos de R$ 700 milhões para que terceiros construam 250 quilômetros de trilhos até Rondonópolis (MT). "Se acontecer uma crise catastrófica, que nunca aconteceu no país antes, meu 'market share' vai a 100%, porque vou capturar carga (do caminhão)". Hoje, a empresa tem participação de 40% no transporte de grãos e quer passar de 45% em 2009 nas áreas em que atua, enquanto no segmento industrial quer saltar de 20% para até 30% nos segmentos que já atende (combustíveis, madeira e outros).


O executivo acrescentou que, com a crise, os custos com logística ganharão mais atenção, e o uso de ferrovia será uma opção mais econômica. "Do jeito que estava antes, a indústria estava produzindo pra vender, e sobrava pouco espaço para pensar em logística. Agora os clientes vão pensar mais", prevê. Hees contou que tem expectativa de crescer no segmento de contêiner, com carga fechada e frigorificada. "Se você compara nosso preço com o rodoviário, somos pelo menos 20% mais baratos, e pagamos 100% dos impostos". A diferença, disse ele, poderia ser maior. "Muitos transportadores autônomos não pagam impostos que, se fossem considerados, fariam a diferença chegar a 35%, 40%".


Na ALL não devem ocorrer demissões em 2009. Pelo contrário, estão previstas até 400 contratações, sendo 250 para o cargo de maquinistas, que são formados pela empresa. O próprio Hees é maquinista. "Já conduzo trem há mais de cinco anos. É o que eu gosto de fazer", contou o executivo. Sobre 2008, diz: "é o melhor ano da nossa história". A movimentação de carga foi menor que o esperado no terceiro trimestre, mas Hess adiantou que "o volume do quarto trimestre está sendo muito forte" e que a empresa está "bem perto" de cumprir as metas.


Sobre os desafios que tem pela frente, o executivo-maquinista usa a seguinte expressão: "a comida está caindo do prato". Ou seja, há muito por fazer.

1 Opinaram:

Júlio Pegna disse...

Muito bom seu texto.
Vou passar a te recomendar no meu blog. Tenho certeza que blogueiros assim somos capazes de mostrar a verdadeira face da notícia; desmascarar a midia comprometida é a minha meta!
Parabéns!

SANDALIAS DO PIRATA
http://sandaliasdopirata.blogspot.com

Postar um comentário