Itamar espera tucanos para definir rumo em 2010

| |


O ex-presidente Itamar Franco, que ingressou na semana passada no PPS, afirmou ontem que irá aguardar a definição da candidatura presidencial do PSDB para definir sua participação na eleição de 2010. Itamar é aliado do governador mineiro Aécio Neves (PSDB), que disputa internamente a candidatura com o governador de São Paulo, José Serra. Mas é cotado por aliados de Aécio para compor a chapa tucana como vice do paulista, na hipótese de a candidatura do mineiro não vingar..

"No momento em que Aécio vai disputar prévias internas, não há como encaminhar nada. Nosso objetivo maior é torcer pela candidatura dele. Seria um erro político traçar cenários alternativos agora", disse o ex-presidente, que atualmente é presidente do Conselho de Administração do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG).

Até o começo do ano, a filiação de Itamar era disputada entre o PDT, da base de apoio do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e de Aécio, e pelo PPS, que é situação em Belo Horizonte e oposição em Brasília. Segundo Itamar, o fato de o PPS ser oposicionista no plano federal foi decisivo. "Recebi há tempos o convite do ex-governador Leonel Brizola (falecido em 2004). Mas o PDT hoje apoia o governo. Eu não me afastei de Lula, ele é que se afastou de mim", disse Itamar, relembrando que em 2002, quando era governador mineiro pelo PMDB, colaborou para a eleição petista. "Fui o único governador do partido a apoiá-lo, cheguei a ir a seu comício em São Bernardo", disse.

Itamar afirmou que o afastamento deu-se em função de comentários que o presidente teria feito. "O sinal mais eloquente do afastamento de Lula em relação a mim foi quando deixei, por vontade própria, a embaixada do Brasil em Roma e ele andou se queixando", afirmou. Itamar foi embaixador do Brasil na Itália até agosto de 2005, época em que Lula vivia a maior crise política de sua história, com as acusações de envolvimento da cúpula de seu governo com o esquema do mensalão. Já em 2006, quando tentou, sem êxito, a candidatura do PMDB ao Senado, o ex-presidente estava distanciado do petista. "Apoiei o doutor Alckmin, a pedido do governador Aécio", disse, referindo-se ao candidato derrotado do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin.

Itamar e Serra nunca foram próximos. Em 1992, quando assumiu a presidência, Itamar cogitou nomear o então deputado federal paulista para o ministério da Fazenda. Desistiu, segundo foi noticiado na época, por perceber em Serra apetites presidenciais. O ex-presidente hoje corrige a versão. " Convidei Serra depois de conversar com Fernando Henrique Cardoso, a quem nomeara chanceler. Mas avaliei que era importante tirar o comando econômico de São Paulo, e por isso nomeei um mineiro para o Planejamento e um pernambucano para a Fazenda. Mais tarde nomearia o próprio Fernando Henrique para a Fazenda, mas esta é outra história", afirmou, referindo-se respectivamente a Paulo Haddad e Gustavo Krause, que chefiaram a equipe econômica por um curto período.

0 Opinaram:

Postar um comentário