Cassado, Miranda diz que disputará Senado

| |


A cassação anteontem do mandato do governador de Tocantins, Marcelo Miranda (PMDB) e de seu vice, Paulo Sidnei, desencadeou o processo eleitoral no Estado. O PMDB deverá permanecer no comando do Estado com a provável eleição para um mandato biônico de um ano e dois meses do governador em exercício, o presidente da Assembleia Legislativa, Carlos Henrique, o "Gaguim".

Por decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), caberá ao Legislativo Estadual realizar uma eleição, pelo fato do mandato de Miranda já ter ultrapassado mais da metade de sua duração. Miranda anunciou ontem mesmo a sua disposição em concorrer a uma das duas vagas ao Senado no próximo ano. O PMDB em Tocantins poderá se compor com uma das duas candidaturas que se articulam para disputar o governo estadual: a da presidente da Confederação Nacional da Agricultura (CNA), a senadora Kátia Abreu (DEM) e a do prefeito de Palmas, Raul Filho (PT).

Aliados no plano nacional, DEM e PSDB romperam em Tocantins. Kátia Abreu fez parte da coligação de Miranda que em 2006 derrotou o ex-governador tucano José Wilson Siqueira Campos e seu filho, Eduardo Siqueira Campos, que buscava a reeleição ao Senado. Já o PT e o PMDB começaram a se distanciar este ano.

A provável eleição biônica de Gaguim foi recebida com irritação pelo PSDB. "A Justiça Eleitoral está inovando, e mal. No caso do Maranhão, que era muito semelhante, porque lá também o governador destituído já havia ultrapassado a metade do mandato, foi empossado o segundo colocado. Em 2001, no Piauí, foi a mesma coisa", disse o ex-senador Eduardo Siqueira Campos, hoje administrador da retransmissora local da TV Record. O PSDB estuda recurso no Supremo Tribunal Federal para impedir a eleição indireta.

Um dos primeiros atos de Gaguim como governador foi enviar à Assembleia projeto que, na prática, inviabiliza convenções partidárias para a eleição indireta e permite aos deputados determinar quem serão os candidatos. Conforme a proposta, as chapas serão apresentadas pelos próprios deputados.

0 Opinaram:

Postar um comentário