Vamos dar tchau para José Serra?

| |


Atenção eleitores: podem começar a juntar as pecinhas do quebra-cabeça. No início deste mês, o presidente Lula reuniu os integrantes do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social para falar da economia nacional.

Ali, foi firme na tese do estado forte, promotor do desenvolvimento. A ministra Dilma Rousseff, já falou numa entrevista. Ontem, Lula reforçou o tema na posse do novo ministro de Relações Institucionais, Alexandre Padilha. E outras falas vão marcar o assunto, de forma cada vez mais incisiva.

Os petistas se preparam para reeditar na campanha eleitoral do ano que vem a mesma força motriz produtora dos votos de 2006, quando o presidente Lula venceu o tucano Geraldo Alckmin. O PSDB defende o estado mínimo, apenas regulador, enquanto o PT e a ministra Dilma, são adeptos do estado mais amplo e forte.

Em 2006, quando ainda não havia uma crise econômica mundial desfilando nos telejornais antes do horário eleitoral, foi grande no PSDB o estrago causado pelo discurso simplista de que os tucanos eram favoráveis às privatizações e o PT, não.Vamos pra cima deles de novo!

Alckmin ficou rouco tentando convencer alguns de que, se eleito, não privatizaria o Banco do Brasil, a Petrobras e a Caixa Econômica Federal.Mas José Serra vendeu a Nossa Caixa. O que prova que o discurso estava certo

Agora, o discurso petista de 2006 será ampliado. Com a crise econômica mundial, Lula tem um prato cheio para retomar a tese do estado forte em 2010, só que de forma mais eficaz.

Ontem mesmo ele reforçou que, em tempo de turbulência, é o estado que salva. Foi aplaudido de forma efusiva pelos prefeitos que lotaram o salão quando citou que, se o dinheiro dado ao sistema financeiro fosse usado em programas sociais, todos os pobres estariam na classe média.

A diferença de 2006 para 2010, além é claro do candidato, é que Dilma não é Lula.

Não se trata mais de dizer se vai privatizar isso ou aquilo ou manter o comando estatal. A ordem é mostrar o que foi revertido em serviço público e benefícios sociais com o dinheiro das privatizações no governo Fernando Henrique Cardoso e o que Lula fez sem privatizar uma só repartição pública.

E tudo isso não está em curso, assim, do nada. Circula nos gabinetes do governo uma pesquisa sobre como a população enxerga a tese do estado forte. E as cabeças coroadas da República descobriram que os brasileiros são meio paternalistas, preferem o estado promotor. Ou seja, tudo o que vem nos discursos não é à toa. É cientificamente comprovado.

E, por falar em método científico...

Enquanto Lula falava, um especialista em pesquisa que acompanhava a posse de Padilha garantia a um amigo que Dilma já está no segundo turno. Ele calcula que, quando José Serra tinha 14% em 2002, Fernando Henrique Cardoso tinha uma popularidade na casa dos 35%. Serra chegou ao patamar da popularidade de FHC e foi ao segundo turno contra Lula. Hoje, Dilma tem 14%. Só que Lula tem uma popularidade que é o dobro daquela de FHC. Logo, se a ministra obtiver metade do que Lula tem hoje de aprovação, tem tudo para chegar lá. Em tempo: ela tem dito a amigos que não está nem aí para as pesquisas de hoje. Só lhe interessam aquelas de outubro de 2010.

Lindberg, o candidato

O prefeito de Nova Iguaçu, Lindberg Farias (PT), duvida que Lula vá lhe pedir para deixar de concorrer ao governo do Rio de Janeiro para apoiar a reeleição do governador Sérgio Cabral, do PMDB. “Lula agora é cidadão do mundo. Não está mais ligado nessa política daqui. A cabeça dele está em outra esfera.” E nós todos vamos fingir que acreditamos, não é mesmo, leitor?

Lula, o articulador

Nos últimos meses, todos aqueles que pensam em ser candidato a alguma coisa dentro do PT, ou mesmo alguns ilustres personagens de partidos aliados, não fazem um só gesto sem conversar com o presidente da República. E, ontem, ao colocar Alexandre Padilha, que não é político, no cargo de ministro, Lula assumiu de vez a coordenação política de seu governo, dividida com o seu chefe de Gabinete, Gilberto Carvalho, e a própria ministra Dilma, a pré-candidata.

Quanto à essa história de cidadão do mundo, bem… Lula é respeitado e visto como “o cara” por onde quer que circule.

Com a crise econômica mundial, Lula tem um prato cheio para retomar a tese do estado forte em 2010, só que de forma mais eficaz

5 Opinaram:

Anônimo disse...

Ótima! Acabei de virar seu fã!!

Ernesto

Anônimo disse...

Concordo com tudo. Vai dar Dilma 2010.;)
Grande abraço
Jurgen Schmaedecke

Anônimo disse...

O PT tem que mostrar o estrago que o PSDB está fazendo terceirizando a saúde pública em São Paulo. O DEMO está fazendo o mesmo no DF e está sendo investigado. Desse esquema, provavelmente, vai grana para caixa 2 de campanha eleitoral. Porisso a saúde pública continua deficiente.

Ana Rodrigues

Naza¹³ disse...

Excelente sua visão, parabéns.

Anônimo disse...

Enquanto o presidente de uma nação que deu Luz ao neoliberalismo luta com todas as forças por um sistema de saúde pública em seu país.

Nós, "pobres paulistas", temos governadores e prefeitos que, indo na contra mão, tentão cada vez mais entregar nosso sistema de saúde a iniciativa privada.

Quando a cabeça do eleitorado Paulista ira mudar?

Como não só eleitores paulistas votão neste país, o cenário pras eleições presidenciais ainda deve mudar muito.

Vamos Dilma com fé, coragem e principalmente um povo que se cansou de uma negliência histórica, continuar lutando pelo desenvolvimento do nosso Brasil!

obs: Parabéns a escritora pela matéria (muito boa por sinal)

Postar um comentário