Arruda abre o cofre para comprar servidores

| |



Alvo de investigação no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e pressionado por manifestações públicas, o governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda (sem partido), resolveu abrir o cofre para tentar esvaziar o movimento pró-impeachment. Depois de quase 15 dias evitando atividades públicas, ele anunciou ontem duas medidas para agradar a funcionários públicos e militares do DF, no valor de R$ 248 milhões.

Arruda antecipou para sexta-feira o pagamento do salário de dezembro para todos os 45 mil servidores do Distrito Federal - entre ativos e inativos da administração direta, indireta, fundações, autarquias e empresas públicas. Tradicionalmente, o pagamento é feito no último dia útil do mês.

Além da antecipação da folha, no valor de R$ 193 milhões, ele decidiu pagar a gratificação por risco de vida a bombeiros e policiais militares numa só parcela, incluindo os atrasados, no valor de R$ 55 milhões. A liberação dos recursos deve ocorrer ainda esta semana. Nos últimos dias, Brasília virou palco de carreatas e passeatas, engrossada por servidores públicos do DF.

Para evitar perguntas, as bondades foram anunciadas em uma nota, depois da primeira reunião de Arruda com seu novo secretariado. A intenção é fazer de tudo para tentar mostrar que o trabalho continua, apesar do escândalo do chamado mensalão do DEM, que veio à tona com a Operação Caixa de Pandora, e de uma equipe de governo desmantelada.
Dezessete de seus 26 secretários deixaram os cargos e tiveram de ser substituídos. Parte deles foi desligada por denúncias de envolvimento direto no esquema de propina, comandado, segundo entendimento do Ministério Público Federal, pelo próprio Arruda. O restante, saiu a pedido de seus partidos, para evitar maior desgaste político.

BALANÇO

Afora liberar recursos para reduzir o descontentamento, Arruda, em nota, listou indicadores para tentar mostrar a eficiência de sua equipe - apesar das denúncias de propina para abastecer o caixa 2 do governador e aliados, cuja origem seriam contratos superfaturados de empresas com o governo do Distrito Federal.

Entre as ações listadas por Arruda, estão a de que o DF apresentou em 2009 a menor taxa de desemprego dos últimos 14 anos (15,14%) e a de cumprimento das metas estabelecidas pela Lei de Responsabilidade Fiscal.

A liberação de última hora de dinheiro por Arruda reflete uma situação privilegiada. Além de arrecadar como Estado e município, o Distrito Federal recebe significativa transferência de recursos da União, sob a forma de um fundo constitucional. Em 2009, receberá mais de R$ 7 bilhões. A União paga boa parte dos gastos com pessoal da área de saúde, segurança e educação do DF, além dos salários de magistrados e promotores locais.

Na semana passada, foram feitas cinco manifestações pela saída do governador - uma delas, violentamente reprimida pela polícia. Na nota de ontem, nenhuma referência foi feita às denúncias contra o governo.


COFRES ABERTOS

R$ 248 milhões
é o tamanho do pacote de
bondades do governador do DF

R$ 193 milhões
serão os gastos com a antecipação do salário de dezembro

R$ 55 milhões
é o valor das gratificações para bombeiros e policiais militares

1 Opinaram:

JBmartins disse...

Tem um ti ti ti, que ficar do lado do Arruda ganharar 2 panetones.

Postar um comentário