Perdão, só depois do julgamento

| |

O governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, é acusado de comandar um esquema de pagamento de propinas e compra de apoio de parlamentares na Câmara local. Contra ele pesam os vídeos divulgados no final do ano passado em que políticos, empresários e assessores aparecem embolsando boladas de dinheiro --guardadas também em meias, cuecas e pastas.

A farra foi toda gravada por um ex-secretário do governador, que se tornou informante da Polícia Federal.

Depois de sumir por um tempo, Arruda vem aos poucos reaparecendo em cerimônias públicas. Nesta semana, durante discurso, resolveu tratar do assunto. "Quero dizer a vocês, de coração mesmo, que eu já perdoei a todos os que me agrediram", disse ele. "E sabe por que eu perdoei? Porque só assim eu posso também pedir perdão dos meus pecados.

O governador parece não perceber que não basta pedir perdão ou dizer que perdoa. Ele é acusado de desviar dinheiro público. O que os cidadãos de Brasília e do resto do Brasil desejam é que os crimes a ele atribuídos sejam investigados --e que recursos de impostos de pessoas honestas não voltem a ser desviados.

Neste momento, Arruda instrui sua base aliada para bloquear o andamento dos processos de impeachment contra ele na Câmara Distrital. Em vez de pedir perdão, o melhor que poderia fazer era se licenciar do cargo --e permitir que seu julgamento fosse adiante.

0 Opinaram:

Postar um comentário