Dilma....Rumo à maioria folgada

| |

Em eventual vitória de Dilma, base governista será maior que a atual, indica projeção; PT e PMDB vão disputar as presidências da Câmara e do Senado


Se for eleita presidente, Dilma Rousseff (PT) desfrutará de um Congresso mais governista que seu antecessor.

Luiz Inácio Lula da Silva iniciou seu primeiro mandato, em 2003, com meros 253 deputados e 31 senadores a favor. Já Dilma deverá contar de saída com uma bancada mínima pró-governo de 325 deputados e 49 senadores.

A estimativa se baseia na previsão dos próprios partidos, pesquisas para o Senado e consultorias especializadas ouvidas pela Folha.

Com esse apoio, terá poder para sugerir mudanças na Constituição. O texto da Carta só pode ser alterado com os votos de ao menos três quintos dos deputados (308 votos) e dos senadores (49).Esse aperto maior entre os senadores levou Lula a priorizar declarações a favor de candidatos pró-Dilma na disputa por vagas no Senado.

A visão mais pessimista no Planalto é a de que a bancada dilmista terá uma base de 49 cadeiras, mas a expectativa é que esse grupo se amplie para cerca de 55 senadores.

Tal hegemonia governista, no início de um mandato presidencial, é inédita desde que as eleições para o Planalto passaram a coincidir com as do Congresso, em 1994.

Fernando Henrique Cardoso, eleito em 1994 e em 1998, chegou a ter maiorias sólidas, mas construídas ao longo dos seus mandatos. O cenário foi semelhante para Lula, embora este tenha começado seus mandatos mais fragilizado que o tucano.

A diferença em relação às eleições de FHC e Lula é o fato de o PMDB estar na aliança dilmista desde a primeira hora. Antes a sigla agregava-se aos governos após a posse. Agora, o acerto foi prévio.
Na contabilidade publicada hoje, consideram-se os números brutos de partidos dados como mais dilmistas ou mais oposicionistas.

PT X PMDB

Como há dissidências dos dois lados, há uma compensação -que quase sempre é favorável ao governo quando a administração é popular e a economia está crescendo.

Apesar de parceiros na joint-venture montada para eleger a sucessora de Lula, as duas principais siglas governistas vão se enfrentar logo depois de concluída a eleição de outubro. É que PT e PMDB desejam presidir a Câmara.Hoje, o presidente é Michel Temer (PMDB-SP), mas ele está na chapa de Dilma na condição de vice. Pela tradição, o partido com a maior bancada tem precedência na escolha -embora seja só uma tradição e às vezes uma sigla menor acabe vencendo.

Tudo indica que PT e PMDB terão um número de deputados eleitos muito semelhante -cerca de cem.
Em outros anos, essa disputa pelo comando da Câmara produziu crises que se arrastaram por meses. Desta vez, a primeira fase será em 3 de outubro. O partido que sair com a maior bancada, PT ou PMDB, terá a vantagem.

Na bancada oposicionista, a grande dúvida é sobre quem será o principal líder na Câmara. Já no Senado, o nome deve ser mesmo o do mineiro Aécio Neves, cuja posição nas pesquisas indica uma eleição tranquila.
Outra incógnita é sobre o DEM: depois do pico de 108 deputados eleitos em 1998, essa legenda perde espaço a cada eleição: está com 56 vagas na Câmara e 13 no Senado. Nas previsões, pode cair para 40 e 8, respectivamente.Fernando na Folha

0 Opinaram:

Postar um comentário