Presidente tenta vencer abismo entre seu estilo e brasileiro habituado a showman

| |

Lula é um fenômeno mundial. Terminou seu mandato com mais de 80% dos eleitores achando seu governo "ótimo" ou "bom". Era o presidente-ídolo, o mandatário showman.
Ele é tão incrível a ponto de cobrar (e receber) R$ 200 mil para ministrar uma palestra para falar bem dele mesmo. Coisa de gênio.

Lula também fez um governo que melhorou a vida das pessoas. Mais crescimento, mais crédito, mais consumo. Foi o governo Valisère: o primeiro carro e a primeira viagem de avião a gente nunca esquece.

Dilma foi eleita na esteira do sucesso de Lula e está longe de ter o charme comunicacional do ex-presidente. Tem, isso sim, um perfil técnico e fama de boa gestora.

Lula gostava de câmeras, de aglomeração. Dilma gosta de PowerPoint, de reunião.
Parece cultivar a Presidência dos resultados, da racionalidade, da "casa em ordem". E já conquistou parte da opinião pública mais escolarizada por sua discrição, pelo anúncio do corte de despesas e por declarações sobre o Irã que todo brasileiro democrata adorou ouvir.

O problema, para Dilma, é que existe um abismo cognitivo entre os eleitores mais escolarizados e a massa da população.

Bem ou mal, em oito anos de governo Lula, o brasileiro típico se acostumou a ver um presidente superexposto, espontâneo, que pensa do jeito que o povo pensa e fala do jeito que o povo fala.

No Brasil, o (ou a) presidente carrega uma aura real. Precisa aparecer, mostrar-se ativo, dar declarações, entrevistas. E, de uns tempos para cá, precisa também se aproximar da população, como uma rainha que acorda à noite para cuidar do seu filho incomodado com alguma dorzinha. É a "humanização" do cargo.

Essa necessidade explica, por exemplo, a aparição da presidente Dilma no Programa "Mais Você", de Ana Maria Braga, na última terça-feira, na qual a convidada preparou um omelete com bicarbonato ao mesmo tempo em que discursava sobre a conveniência da volta da CPMF.

Mas é bom ir devagar com o andor: nem tudo que soava natural e bonito em Lula terá o mesmo efeito com Dilma. Afinal, fenômenos não surgem todos os dias. Por Rubens Figuereido - na Folha

0 Opinaram:

Postar um comentário