IOF não deve inibir demanda de crédito

| |


Analistas econômicos de bancos e de consultorias avaliam que o aumento das alíquotas do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) terá efeito neutro ou moderadamente contracionista sobre a expansão do crédito bancário, mas não a ponto de alterar as perspectivas de manutenção ou alta da taxa Selic em 2008.

Na semana passada, o Ministério da Fazenda anunciou o aumento, de 1,5% para 3% do IOF incidente sobre a maior parte das operações de crédito, com forma de compensar parte da perda de receita com o fim da cobrança da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeiras (CPMF).

Fontes do Palácio do Planalto difundiram, nos últimos dias, a versão de que o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, assegurou ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva que a cobrança do IOF frearia o crédito e a demanda agregada, eliminando o risco de elevação dos juros básicos. Procurado pelo Valor, o BC não quis comentar o teor da conversa com Lula.

Economistas do setor privados, porém, acham que a majoração de alíquotas do IOF não muda fundamentalmente o cenário inflacionário. "As nossas previsões para a trajetória dos juros básicos não se alteraram em relação ao previsto antes do anúncio da medida sobre o IOF", afirma o economista-chefe da MCM Consultores Associados, Luiz Rabi.

A versão difundida pelo governo é de que o aumento de IOF será repassado ao consumidor, funcionando, na prática, como aumento de juros básicos. A consultoria MCM divulgou relatório em que afirma ser "irrealista" a hipótese de que todo o aumento de impostos será repassado ao consumidor. "Não é necessário ser um grande microeconomista para saber que ao menos parte do fardo recairá nos bancos", diz o relatório.

O economista-chefe para a América Latina do Banco ABN Amro, Alexandre Schwartsman, afirma que, para os juros serem repassados totalmente para os consumidores, seria necessário que a demanda por crédito fosse completamente inelástica, ou seja, os consumidores tomassem o mesmo volume de crédito independentemente da taxa de juros. Ou que a oferta de crédito fosse completamente elástica, ou seja, os bancos ampliassem infinitamente a oferta de empréstimos ao menor aumento dos juros.

"O impacto do IOF nos juros do crédito não será tão forte", afirma Schwartsman. "Provavelmente deveremos observar uma divisão das taxas entre os bancos e tomadores de crédito"

O gerente de política monetária do Banco Itaú, Joel Bogdanski, afirma que, tudo mais constante, o aumento de IOF agirá para aumentar o juro bancário. Mas ele lembra que os bancos e o consumidores de crédito podem mudar os seus comportamentos.

"Os bancos poderão tomar a decisão de continuar a ofertar crédito, reduzindo o "spread" bancário", afirma. "Deve-se lembrar também que os clientes bancários não levam em conta apenas o juro na decisão de tomar empréstimos."

O anúncio da alta das alíquotas do IOF não mudou a projeções do mercado para a taxa básica de juros. Os cerca de 100 economistas consultados pelo BC em sua pesquisa semanal prevêem que os juros, hoje em 11,25%, cairão para 10,75% no fim de 2008. A projeção é exatamente igual à da semana passada.

A MCM lembra que, embora tenha ganho importância nos últimos anos, o crédito ainda não se tornou um canal crucial de ligação entre a política monetária e a demanda agregada. Schwartsman assinala que a alta do IOF não afeta os outros canais de transmissão da política monetária. "O custo de oportunidade do consumo, dado pelos juros reais, permanece inalterado, indicando continuidade da tendência de consumo", afirma.

Na visão de Bogdanski, do Itaú, outros fatores que não são afetados pelo IOF são mais importantes para determinar a evolução da inflação e juros. "No curto prazo, a inflação será definida muito mais por pressões nos preços de alimentos e energia."


0 Opinaram:

Postar um comentário