Furto na Petrobras interessa aos EUA

| |


Um discreto encontro entre os ministros da Justiça, Tarso Genro, do Gabinete de Segurança Institucional, Jorge Felix, e os dois homens mais importantes da área de informação do governo, Luiz Fernando Corrêa e Paulo Lacerda, ontem na sede da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), em Brasília, terminou com duas conclusões: seja qual for o perfil do ladrão ou a motivação do furto dos equipamentos com dados sobre as reservas, uma descoberta estratégica para o país, obtida depois de anos de pesquisas e investimento, saiu do controle da Petrobras e os órgãos governamentais estão, como sempre, desarticulados para enfrentar demandas do gênero.

No fim da tarde de ontem, o Ministério da Justiça divulgou nota onde informa que as investigações estão em andamento e "revestem-se de importância em função da possível fragilidade do sistema de segurança para o transporte de informações reservadas, que o episódio evidenciou". Os dois ministros também apararam possíveis arestas entre a Abin e Polícia Federal ao deixarem claro que os dois órgãos têm atribuições diferentes, mas precisam agir em sintonia quando os interesses do Estado estão em jogo.

Informações sobre Júpiter

Dez poços petrolíferos foram perfurados na bacia de Santos dias antes de o navio que carregava os notebooks roubados da Petrobras deixar a região. Dois na valiosa camada pré-sal, mas nenhum deles fazia parte do megacampo de Tupi, cujas reservas gigantes têm incentivado suspeitas de espionagem industrial.

Dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP) revelam que entre as atividades exploratórias na chamada camada pré-sal, estava o bloco BM-S-8, sem nome por não haver ainda conclusões sobre o potencial de reservas da área. Também embaixo da camada de sal, a mais de seis mil metros de profundidade, o BM-S-24, batizado de campo de Júpiter, também estava sendo perfurado antes do dia 18 de janeiro, data de partida do navio. A possibilidade de as informações dos computadores furtados serem do campo de Júpiter ganha força porque a agência informa que a perfuração foi concluída, diferentemente dos outros blocos.


0 Opinaram:

Postar um comentário