Daniel Dantas agora investe em gado e mineração

| |


Daniel Dantas vem apostando pesado em duas novas frentes de negócios: mineração e agropecuária. Com sua briga acirrada com os investidores no fundo de investimentos do qual era gestor, Dantas foi, como queda de um castelo de cartas, perdendo a gestão das companhias de telecomunicações, transportes e saneamento.

O ingresso do Opportunity na atividade de exploração mineral se deu por meio da GME4, empresa criada em 2007 na qual o grupo detém 61,9% via Douro Participações S.A. No agronegócio, o Opportunity tem participação relevante na Agropecuária Santa Bárbara, com operações concentradas no Pará. Segundo revelou o Valor em janeiro, a Santa Bárbara tinha, no fim de 2007, 423 mil cabeças de gado em suas terras, mais que o triplo do rebanho de um ano antes.

Uma fonte próxima a Dantas disse recentemente ao Valor que, apesar de estar investindo pesado em pecuária, "os olhos de Daniel não brilham" por esse negócio. Mas a mesma fonte informou que o plano dele é preparar-se para o futuro, movimento semelhante ao que fez no final dos anos 80 quando, ainda no Banco Icatu, começou a comprar ações da estatal Telebrás antevendo uma perspectiva promissora para as telecomunicações.

Dantas contratou estudos e identificou o Pará como região em que as terras têm perfil climático para atender a demanda de alimentos no mundo e combustíveis alternativos. Em energia tradicional, como petróleo, é um dos idealizadores da PetroRecôncavo, que opera 17 campos maduros na bacia do recôncavo baiano. São pequenos e de baixa produção.

Na área mineral, o objetivo da GME4 é deter reservas para transformar-se no principal banco de oportunidades minerais na América Latina em 2010. Após as devidas pesquisas das jazidas e da mensuração de potencial, o intuito é revender para mineradoras. Os sócios no negócio são o geólogo João Carlos de Castro Cavalcanti, também baiano (que descobriu uma jazida de ferro na Bahia anos atrás e revendeu por cerca de US$ 200 milhões), com 22,3%, e outros investidores, com 15,8%.

A GME4 do Brasil Participações e Empreendimentos S.A. tem como um de seus objetivos abrir o capital em bolsa, provavelmente ainda este ano, mas antes previa a entrada de um sócio estratégico. Agora não se sabe como ficam os planos. O portfólio inicial, em junho de 2007, contava com 270 áreas de diversos tipos de minerais e metais requeridos. Em março deste ano, segundo informações da companhia, o portfólio já havia triplicado.

Um dos principais negócios do Opportunity é a participação no capital da Santos Brasil, empresa que opera o maior terminal de contêineres da América do Sul, no porto de Santos (SP). O Opportunity Fund, do qual Dantas é gestor, tem 32,78% da Santos Brasil Participações, dona da Santos Brasil, via International Markets Investment, com sede na Holanda. A família Klien, principal investidor no negócio, tem 20% do capital. Dorio Ferman também é sócio da empresa. O controle da empresa é compartilhado entre o Opportunity Fund e a família Klien.

A operação da Polícia Federal criou apreensão entre executivos próximos à Santos Brasil. Entre as pessoas presas na operação, estão três conselheiros da empresa, incluindo o presidente do conselho de administração, Arthur Joaquim de Carvalho. Além dele, foram presos outros dois membros do conselho: Maria Amália Coutrim e Verônica Dantas, irmã de Daniel e sua representante em vários negócios.

Os novos empreendimentos, entretanto, ainda deixam Dantas muito longe do extraordinário poder e influência em empresas que chegou a ter depois da privatização do sistema Telebrás. Sua ascensão meteórica deveu-se à criação, em 1997, do fundo fechado CVC Opportunity Equity Partners-FIA, e principalmente à conquista de cotistas de peso como Citibank e fundos de pensão de estatais. O objetivo do fundo era investir na privatização ou em compra de negócios privados.

Em 2003, um folder instituicional do Opportunity informava que o total de recursos da Opportunity Asset Management na época era de R$ 3,6 bilhões. Já o do CVC Opportunity (internacional), com seis empresas, era de R$ 4,4 bilhões. Eram elas, além da Santos Brasil , o Metrô Rio, a Sanepar, a Brasil Telecom, a Telemig Celular e a Amazônia Celular.

Ao mesmo tempo, Dantas teve que deixar, em 2005, a gestão de empresas de telecomunicações após a ruidosa disputa com os fundos de pensão, que alegavam não conseguir acompanhar as empresas pois a estrutura montada dava amplos poderes ao gestor. Os fundos, que já tinham destituído o Opportunity do fundo de investimentos local, convenceram o Citigroup a fazer o mesmo e juntos assumiram o controle dos investimentos. Assim, deixaram o Opportunity fora da gestão da concessionária que explora o Metrô do Rio, negócio no qual ainda mantém participação de menos de 3% do capital total.

A Telemig Celular foi vendida no ano passado para a Vivo e Amazônia, para a Oi. O controle da Brasil Telecom será vendido para Oi se a mudança na legislação permitir, mas de qualquer forma a venda da participação do Opportunity na Oi, por meio da Argolis, já foi fechada, embora sem anúncio dos valores. O que se sabe é que o Opportunity detinha pequena parcela e o restante era do fundo CVC Opportunity.

O Citigroup assumiu a gestão da concessionária do Metrô Rio, a administração do negócio foi assumida pelo Citigroup. Na Sanepar, o CVC continua na sociedade embora esteja vendendo as participações. Depois que o governo do Paraná interveio na empresa, não seria uma surpresa uma mudança completa na estrutura societária.

0 Opinaram:

Postar um comentário