PSDB procura marqueteiro para intervir na campanha de Alckmin

| |


Na véspera do jantar organizado pelo PSDB para celebrar o ingresso do governador José Serra na campanha do candidato tucano à Prefeitura de São Paulo Geraldo Alckmin, a crise no partido atingiu ontem o seu ápice. O Diretório Municipal cogitou até mesmo expulsar todos os tucanos aliados ao prefeito e candidato do DEM à reeleição, Gilberto Kassab (leia abaixo).

Não bastasse a crise política, integrantes mais radicais do comando de campanha defendem a saída do marqueteiro Lucas Pacheco, conforme o Estado informou na edição de ontem. Visivelmente irritado, o candidato negou o fato.

Ontem mesmo, porém, a cúpula tucana decidiu fazer uma intervenção e já iniciou conversas com o marqueteiro baiano Marcelo Simões, que passaria a dar as cartas na imagem da campanha. Oficialmente, porém, os dois trabalhariam juntos, dividindo responsabilidades.

Simões chegou a negociar com o PSDB, em maio. À época, no entanto, o partido acabou optando por Pacheco, que apresentou uma estrutura enxuta e o menor orçamento.

Uma das principais queixas do núcleo político da campanha é que o marqueteiro não utiliza imagens de Alckmin inaugurando obras quando era governador, estratégia repetida à exaustão na TV nos programas de Kassab e da adversária petista, Marta Suplicy (PT).

Na semana passada, o núcleo político da campanha teve uma reunião com o marqueteiro. Pacheco foi advertido sobre o descontentamento do partido com o modelo adotado na publicidade no rádio e na TV.

Enquanto os tucanos reclamam de um lado, Pacheco também tem suas queixas de outro. Em conversas reservadas, o marqueteiro tem atribuído aos problemas de “conteúdo, não de forma” o fraco desempenho do candidato do PSDB nos programas de televisão. Ele tem dito a amigos, segundo o Estado apurou, que, por falta de discurso, o grupo político do candidato passou a criticar questões técnicas como iluminação, cenário e edição.

A reportagem procurou ontem Pacheco, mas ele não retornou os telefonemas.

‘ESFORÇADO’

O candidato falou ontem sobre o assunto. Pela manhã, depois de participar de um evento na sede da Federação Paulista de Futebol, ele isentou Pacheco de qualquer responsabilidade por eventuais problemas e negou cogitar a troca de marqueteiro.

“Ele está se esforçando e está fazendo um bom trabalho”, garantiu. “Não tem nenhuma procedência isso.”

Partiu do próprio Alckmin falar sobre a crise de marqueteiro na campanha. Ele abordou o tema antes mesmo de ser questionado pelos jornalistas.

Para o tucano, o problema em relação ao programa eleitoral no rádio e na TV se dá em razão de seu tempo ser inferior ao dos seus adversários. “Nós temos uma dificuldade porque o nosso tempo é menor, mas eu sou bastante conhecido.”

Ao longo do dia, aliados do candidato do PSDB se esforçaram em negar a existência de uma crise na campanha do ex-governador. O coordenador-geral da candidatura, deputado Edson Aparecido, disse que não há motivo nenhum para alterações: “Não existe mudança alguma. Acabei de sair de uma reunião com o Lucas (Pacheco) e está tudo bem.”

0 Opinaram:

Postar um comentário