Atividade Industrial se recupera

| |


O comportamento da demanda por energia elétrica observado em março aponta para mais um mês de recuperação da atividade industrial. No mês passado, o consumo nacional de eletricidade subiu 2,1% em relação ao mesmo período de 2008 e 2,7% sobre fevereiro. Para o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), a melhora da demanda em março, que havia caído, na comparação anual, 3,1% em dezembro e 2,6% em janeiro, é atribuída à manutenção do consumo por setores industriais voltados para o mercado interno.

Ainda na área de energia, o presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, antecipou esta semana que as vendas de combustíveis em março subiram em relação ao mesmo mês de 2008, ao contrário do que ocorreu em fevereiro.O IBGE também confirmou ontem alta de 1,8% da produção industrial em fevereiro. Embora no bimestre, a indústria ainda registre retração de 17,2% na comparação com o mesmo período de 2008, as expectativas são positivas para alguns setores, como é o caso da produção de veículos que, depois de crescer 8,7% em fevereiro, voltou a registrar bom desempenho em março, o segundo melhor mês em vendas da história da indústria automobilística, com o emplacamento de 271.494 veículos (automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus).

Consumo brasileiro de energia elétrica cresce 2,1% em março





- Mais calor e manutenção do consumo de energia elétrica por setores industriais voltados para o mercado interno garantiram em março maior consumo de energia no Brasil, apesar de em taxas menores do que as registradas antes da crise financeira global.

No mesmo dia em que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) anunciou indícios de uma leve recuperação na produção industrial de fevereiro, o Operador Nacional do Sistema (ONS) informou ontem que o consumo de energia no mercado brasileiro subiu 2,1% em março em relação ao mesmo período do ano passado e 2,7% na comparação com o mês anterior.

Na véspera, o presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, informou que as vendas de combustíveis da companhia em março haviam subido em relação a março de 2008, ao contrário do que ocorreu em fevereiro.

De acordo com o ONS, os setores industriais voltados para o mercado interno mostraram-se menos afetados pela crise, mantendo, assim, a demanda por energia elétrica. O operador destacou também a ocorrência de temperaturas mais altas no mês passado do que em 2008, principalmente nas regiões Sudeste e Centro Oeste do País. As duas regiões, que formam o subsistema Sudeste/Centro-Oeste, tiveram alta de 3,1% no consumo de eletricidade em março contra fevereiro, e de 1,4% comparado a março do ano passado. Desde janeiro deste ano, as duas regiões do País apresentam acréscimo na carga de energia enviada pelo ONS, informou o operador. Além da indústria, as temperaturas mais altas contribuíram para esse aumento.

O subsistema Sul teve uma variação positiva de 1,4% em relação a fevereiro e de 4,1% ante igual período de 2008, apesar da indústria da região ter sido bastante afetada pela crise internacional. O ONS destacou que a elevação de temperatura foi determinante para esse maior consumo de energia.

Na região Nordeste a carga de energia foi 2,7% maior do que em fevereiro e 3,6% superior ao volume de março do ano passado. "A taxa de crescimento da carga desse subsistema no mês de março está influenciada pelos efeitos da redução da carga ocorrida nesse mesmo mês do ano anterior, quando ocorreram, na região, chuvas intensas durante a segunda quinzena", informou o ONS.

Empresas eletrointensivas

Já o subsistema Norte, onde se concentram indústrias eletrointensivas voltadas para exportação, que reduziram substancialmente sua produção, o consumo de energia caiu 2,8% na comparação com fevereiro e subiu 0,6% contra março de 2008. Mesmo assim, o ONS observou que as empresas eletrointensivas "não têm apresentado reduções significativas em suas cargas em relação ao período do ano anterior".

0 Opinaram:

Postar um comentário