Crise ética do Senado ofusca festa tucana

| |

A crise ética do Senado e a disputa sobre a paternidade dos êxitos econômicos roubaram a festa dos 15 anos do Plano Real, comemorados no dia 1º de julho. A ausência de tucanos importantes a uma sessão para render dividendos políticos ao PSDB, às vésperas de um ano eleitoral, também chamou atenção e ficou sem uma resposta convincente do partido.

O primeiro a passar por constrangimento foi o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, espécie de convidado de honra. Para comemorar a data, o PSDB requereu sessão conjunta do Congresso, realizada ontem no plenário do Senado, presidida por José Sarney (PMDB-AP).

"Em casa de enforcado não se fala em corda", declarou FHC aos jornalistas, ao se dirigir ao gabinete de Sarney. Durante a sessão, Sarney e FHC trocaram elogios sobre as responsabilidades de cada um no processo que tirou o país da superinflação rumo à estabilidade. Mas os dois se desentenderam politicamente já no final do governo tucano.

Cotado para ser indicado candidato do PSDB a presidente em 2010, o governador de Minas Gerais, Aécio Neves, não só teve que desfilar, sorridente, ao lado de Sarney, como na Mesa do Senado teve de ficar sentado entre ele e a governadora tucana do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius, também sob o bombardeio de denúncias de corrupção. Os tucanos, aliás, prestigiaram Yeda, nomeando-a uma das oradoras da sessão.

"Eu não tive nenhum constrangimento", respondeu Aécio, quando questionado por jornalistas sobre a crise do Senado e as dificuldades políticas de Yeda. "Cada um responde por seus problemas", acrescentou. "Ali não há contaminação. Pelo menos enquanto eu estiver no meio". "Eu chamei ontem o Aécio para vir", disse o presidente do PSDB, Sérgio Guerra (PE).

Enquanto os tucanos confraternizavam em Brasília com Sarney, o nome mais cotado do PSDB para candidato a presidente em 2010 estava em Genebra, para receber um prêmio internacional. O partido explicou que o convite ao governador de São Paulo, José Serra (PSDB) era antigo, de dois ou três meses atrás, o que é fato, como também é verdadeiro que nada impedia os tucanos de escolher outra data para um de seus principais eventos políticos de 2009.

Além de Serra, faltaram dois dos economistas da constelação - "brilhante, mas inconstante", na definição de FHC - de economistas que criou o real: Pedro Malan, ex-ministro da Fazenda, e Pérsio Arida. Mas Gustavo Franco, ex-presidente do Banco Central, e Edmar Bacha atenderam o chamado dos tucanos. O presidente do Supremo, Gilmar Mendes, também compareceu

Realizada no plenário do Senado, a festa teve casa cheia, embora o painel eletrônico registrasse a presença de apenas 38 parlamentares. Além de um Sarney constrangido, houve a gafe do líder Arthur Virgílio. Ele chegou atrasado para discursar (circunstância registrada por Sérgio Guerra da tribuna).

Alguns petistas, inclusive a líder do governo Ideli Salvatti, passaram pelo plenário alheios à festa.
FHC fez um discurso de candidato a presidente. Questionado se pretendia volta à vida pública, respondeu: "Eu acho que posso colaborar com o país com ideias. Não vou disputar nada". Já durante seu discurso FHC dissera que governo e oposição deviam brigar na eleição - "Eu tô fora" -, mas trabalhar uma agenda comum depois de 2010.

Questionado se encontrara um Senado muito diferente do tempo em que exerceu mandato, respondeu: "Pelo que vejo nos jornais mudou muito. Na época em que fui senador, havia debate mais vivo e de ideias. Hoje tem preocupação com detalhes constrangedores", afirmou.

Segundo Fernando Henrique Cardoso há um consenso de que o Congresso passa por um período de baixa produtividade. Por isso, talvez, outras coisas pareçam mais importantes. "Nisso (Congresso pouco produtivo) não há dúvidas, todos sabem disso. Mas é preciso ter uma agenda e propostas. Quando o Congresso fica menos ativo, acontece que as questões que não deveriam ser as mais importantes se tornem as mais importantes", disse.

0 Opinaram:

Postar um comentário